Blog Widget by LinkWithin

2014-09-24

TARDE CINZENTA - Geraldo Coelho Vaz

Tenho medo da tarde cinzenta
porque ela me traz
um enorme desejo de ser infeliz.

E nesse instante,
mais que um instante,
a voz grave do coração
me cerca e procuro fugir.

Os sinos da minha terra
gritam o pavor corpóreo
do homem que desconheço
e o horror da vida
e do mistério
que sempre me acompanham.

Tenho medo da tarde cinzenta.


Extraído daqui


Geraldo Marmo Coelho Vaz nasceu em Goiânia, Goiás, em 24 de setembro de 1940

Read More...

2014-09-23

E porque hoje começou o outono: Outonal - Florbela Espanca


Caem as folhas mortas sobre o lago;
Na penumbra outonal, não sei quem tece
As rendas do silêncio... Olha, anoitece!
- Brumas longínquas do País do Vago...

Veludos a ondear... Mistério mago...
Encantamento... A hora que não esquece,
A luz que a pouco e pouco desfalece,
Que lança em mim a bênção dum afago...

Outono dos crepúsculos doirados,
De púrpuras, damascos e brocados!
- Vestes a terra inteira de esplendor!

Outono das tardinhas silenciosas,
Das magníficas noites voluptuosas
Em que eu soluço a delirar de amor...


Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

Read More...

Sem segredo algum - António Ramos Rosa

Rodeio-te de nomes, água, fogo, sombra,
 vagueio dentro das tuas formas nebulosas.
Como um ladrão aproximo-me entre palavras e nuvens.
Não te encontrei ainda. Falo dentro do teu ouvido?
Entre pedras lentas, oiço o silêncio da água.

A obscuridade nasce. Tens tu um corpo de água
ou és o fogo azul das casas silenciosas?
Não te habito, não sou o teu lugar, talvez não sejas nada
ou és a evidência rápida, inacessível,
que sem rastro se perde no silêncio do silêncio.

O que és não és, não há segredo algum.
Selvagem e suave, entre miséria e música,
o coração por vezes nasce. As luzes acendem-se na margem.
Estou no interior da árvore, entre negros insectos.
Sinto o pulsar da terra no seu obscuro esplendor.


in Volante Verde (1986)

António Víctor Ramos Rosa nasceu em Faro a 17 de outubro de 1924 e faleceu em Lisboa a 23 de setembro de 2013.


Ler do mesmo autor neste blog:
Ninguém me disse: Vai por este caminho de água
A Festa do Silêncio
Este Viver Comum
Vertentes
Não posso adiar o amor...
Poema Dum Funcionário Cansado

Read More...

2014-09-22

Tudo é Merda - Damasceno Bezerra


O mundo é simplesmente merda pura
E a própria vida é merda engarrafada;
Em tudo vive a merda derramada,
Quer seja misturada ou sem mistura.

É merda o mal e o bem merda em tintura,
A glória é merda apenas e mais nada.
A honra é merda e merda bem cagada;
É merda o amor, é merda a formosura.

É merda e merda rala a inteligência!
De merda viva é feita a consciência,
É merda o coração, merda o saber.

Feita de merda é toda a humanidade,
E tanta merda a pobre terra invade,
Que um soneto de merda eu quis fazer...

Antônio Damasceno Bezerra nasceu em Natal em 22 de setembro de 1902, falecendo em 14 de setembro de 1947

Read More...

2014-09-21

Musical suggestion of the day: Did I Ever Love You - Leonard Cohen on his 80th Birthday






Leonard Norman Cohen (born 21 September 1934)

Read More...